Voltar

Itapemirim

  • Por: Comunicação Adeturci
  • Em: 22/11/2016
  • Categoria: Notícias
  • Imagens: Rocio Fotografia


O Município está a 120 km do aeroporto de Vitória e a 90 km do aeroporto de Campos dos Goytacazes-RJ. O acessos rodoviários se dão pela BR-101, ES-487 e ES-060 - Rodovia do Sol.

 A economia baseia-se na cana-de-açúcar, mandioca, abacaxi, café, pecuária de leite e corte e na  pesca, com destaque para o atum beneficiado e exportado por uma das maiores empresas de pescado do Brasil, estabelecida em Itaipava. Também a produção de açúcar e etanol. O comércio e os serviços mantêm aquecida a economia da sede e a área rural apresenta agroindústrias como farinheiras, fábricas de doces e de derivados  do  leite  e  outras. É o terceiro município do Estado em arrecadação de royalties.
 
Vista da Cidade

O  clima  é tropical e a paisagem é formada por planícies e elevações até  700m. Na Mata do Ouvidor,  pertencente à Usina Paineiras, preservada há 80 anos, há pássaros e mamíferos ameaçados de extinção. O litoral conta com belas praias e distante 3,5km da costa está a Ilha dos Franceses, com   espécimes raros como o morcego-pescador e uma nova espécie de cobra jararaca existente só na ilha.  Na ilha está o farol de Santa Eugenia de 1730 e o Buraco do Judeu (lenda do marujo desaparecido). Barcos de passeio podem aproximar da ilha para banhos e mergulhos, pois o acesso é limitado.

 

Os principais atrativos são: o Frade e a Freira com 683m de altura, o Monte Aghá com 300 m de altura, na divisa com Piúma, ideais para para vôo livre, escaladas e trilhas; a Lagoa Guanandy muito procurada lazer, as praias de Itaoca, Itaipava e da Gamboa, com barcos de pesca e ideal para comer um peixinho. O Parque Temático Ecológico, reserva de mata atlântica, com mirante, nascentes, lagos e completa estrutura de lazer, restaurante panorâmico e estacionamento, aberto ao público pagante.

 

Em 2015 o município comemorou 200 anos de emancipação, mas sua riquíssima história remete a 1539 com uma fazenda perto da foz do rio “Itapemirim”, nome que significa pequena pedra chata, em guarani. No séc. XVII chegaram os jesuítas, teve início a  cultura da cana-de-açúcar e o porto fluvial “de Caxangá”, foi o núcleo da Barra de Itapemirim, hoje em Marataízes. Na sede estava a Fazendinha e da sua capela ainda estão preservadas as imagens de Nossa Senhora da Conceição, São Benedito, a pia batismal e o sino, na atual matriz Nossa Senhora do Amparo. Em 1815, foi criado o município de “Vila” de Itapemirim, título  até hoje mencionado para a sede. Grande personagem foi o Barão de Itapemirim, proprietário da Fazenda Santo Antônio de Muqui que lembrava um castelo medieval, da qual ainda restam ruínas. O barão foi comendador, deputado e presidente da província do Espírito Santo. Em 1845 mandou construir o Aldeamento Imperial Afonsino (Conceição de Castelo) para minimizar os choques indígenas, nome em homenagem a D. Afonso, filho de D. Pedro II. O aldeamento facilitou a construção de um ramal da Imperial Estrada São Pedro de Alcântara para a Vila de Itapemirim - a Estrada do Rubim, (presidente da Província Francisco Alberto Rubim). A posição da Vila de Itapemirim era estratégica, que além de servir de porto escoadouro da produção, situava-se entre a chamada Estrada Geral, que ia para o Rio de Janeiro e era ligada ao interior pela Estrada do Rubim. 

 

Em 1860 o imperador D. Pedro II visitou Itapemirim. O monarca não só registrou suas belezas, como desenhou o Frade e a Freira, mencionou o Monte Aghá e a Ilha dos Franceses. O Barão comprou iguarias e bebidas da Europa para receber a família imperial, mas avisado do clima político, D. Pedro declinou de ser recebido em seu palacete. Acredita-se que o Barão tenha morrido de desgosto. Em 1888 a princesa Teresa da Baviera também visitou Itapemirim.

 

Quadros imperiais pintados a óleo em 1852, que retratam  D.  Pedro II e Dona Teresa Cristina, podem ser apreciados na Câmara Municipal em seu horário de funcionamento. A Usina Paineiras que funciona nas mesmas instalações equidas há mais de 100 anos, que lembram o estilo Vitóriano das antigas fábricas inglesas e é o empreendimento industrial mais antigo do Estado do Espírito Santo, em operação contínua, recebe visitas agendadas.

 

Em sua cultura o município tem a missão de manter tradições do passado, o que deve aos indígenas, portugueses, negros e posteriormente aos italianos, franceses, holandeses, sírios, libaneses e alemães que chegaram pelo porto de Itapemirim. Uma forte tradição católica é a realização de matrimônios na Igreja  Nossa Senhora do Amparo, que encanta os noivos por sua beleza em estilo barroco e tem centenárias palmeiras imperiais trazidas das Antilhas, conjunto tombado como Bem Imóvel de Valor Histórico. Os batizados ainda utilizam a histórica pia batismal. No carnaval de 2015 a história de Itapemirim foi enredo da Escola Unidos de Jucutuquara em Vitória.

 

Entre as manifestações culturais estão os concursos de bandas e fanfarras. As comunidades tradicionais mantém o jongo (cultura africana) e as quadrilhas juninas. Muitos são os eventos organizados para comunidades católicas e evangélicas, como retiros, shows gospel e o espetáculo “Natal Magico”. Na gastronomia há tradicionais festivais de frutos do mar, tendo o atum como símbolo. As agroindústrias rurais produzem mel, rapadura, melado, pães, bolos e biscoitos, compotas, queijos, farinha de mandioca e pescado. O artesanato é produzido  com  madeira, imbira, argila, escamas de peixe e conchas e com o aproveitamento de sementes e fibras do coco e bananeira é produzido o “bioartesanato”.

 

O município tem mais de 300 meios de hospedagem, que ofertam cerca de 900 leitos, e mais de 70 estabelecimentos de alimentação localizados, em sua maioria, nas praias de Itaipava e Itaoca.

 

Há ônibus diário entre Marataízes e Vitória e existem serviços de táxis, e escunas para passeios nas praias de Itaipava, Itaoca e Ilha dos Franceses. Os serviços bancários são disponibilizados pela Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Banestes, SICOOB e Bradesco.

 

No município há 02 (dois) hospitais com pronto-socorro, que atendem a região. Em termos de segurança a cidade possui 82 câmeras de videomonitoramento e postos de atendimento policial. O  Centro de Informações Turísticas de Itapemirim (Citi) está localizado na Rodovia do Sol, em Itaoca e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (28) 3529-1953.


Fonte: Top3 Consultoria
Topo